A Prática da Meditação – 1

 

 

 

Leia, com bastante atenção, os seguintes textos:

“Quando se aproximavam da aldeia para onde iam, fez Ele menção de passar adiante. Mas eles O constrangeram dizendo: Fica conosco, porque é tarde e o dia já declina. E entrou para ficar com eles. E aconteceu que, quando estavam à mesa, tomando Ele o pão, abençoou-o, e, tendo-o partido, lhes deu; então se lhes abriram os olhos, e O reconheceram; mas Ele desapareceu da presença deles.”

“A seguir Jesus lhes disse: São estas as palavras que Eu vos falei, estando ainda convosco, que importava se cumprisse tudo o que de Mim está escrito na Lei de Moisés, nos profetas e nos Salmos.”

“Então lhes abriu o entendimento para compreenderem as Escrituras.” Luc. 24:28-31, 44 e 45.

Leia novamente a passagem bíblica acima, pensando nos detalhes que não foram vistos na primeira leitura.

Conseguiu detectar alguma coisa no texto que mexe com algum aspecto de sua vida?

Fale agora com Deus em oração a respeito de suas observações do texto e as lições práticas que conseguiu tirar para a sua vida hoje.

Complementando suas considerações sobre a passagem, vamos então analisar algumas lições que podemos tirar e o que precisamos aprender ao meditar na Palavra de Deus.

  1. Meditar na presença do Senhor

Vamos pensar nesta frase: “quando estavam à mesa.” Lembre-se: quando abro

a Bíblia, estou me colocando na presença do Senhor, uma vez que a Palavra não se aparta daquele que fala. Quando você se dirige ao seu lugar de comunhão, nas primeiras horas do dia, o Senhor está indo com você e vai sentar-Se ao Seu lado ou em frente para conversar e ouvir você. Esse é o primeiro requisito para a prática produtiva da meditação.

Esse é um momento solene em que a criatura e o Deus Criador e Redentor estão juntos em comunhão. O Espírito Santo dirige e orienta a mente do crente nesse momento para que ele conheça, através da oração e do estudo, a vontade de Deus para aquele dia.

Sempre que nos dispusemos a estar com Ele, Ele se disporá a estar conosco. Então a meditação deve iniciar-se com a atitude de esperar no Senhor, abrindo o coração e a mente ao Espírito Santo para que Ele os direcione para Si mesmo e para a Palavra.

Esse é o momento do meu encontro com Deus e nada deve interferir nesse instante sagrado. A minha alma necessita diariamente dEle para ter vida. Preciso estar à sombra do Pai. Salomão escreveu o seguinte: “Desejo muito a sua sombra, e debaixo dela me assento; e o seu fruto é doce ao meu paladar.” Cant. 2:3.

Ao lado do Pai, podemos conversar com Ele, ler alguns textos, cantar um hino ou corinho de adoração, ou simplesmente permanecer na presença dEle em silêncio.

É somente aqui em comunhão com Deus que a força do mal pode ser quebrada em minha vida, não outra maneira.

Existe unicamente um poder capaz de quebrar o domínio do mal no coração dos homens, esse é o de Deus em Jesus Cristo. Unicamente por meio do sangue do crucificado existe purificação do pecado. Sua graça, tão somente, nos habilita a resistir e subjugar as tendências de nossa natureza caída.” CBV, 428.

Vale lembrar que não existe fórmula pronta que se adapte a cada pessoa, para se meditar na Palavra de Deus. O que conta é a sua disposição de conhecer a vontade do Pai. O Espírito Santo vai providenciar a maneira ideal de cada pessoa conhecer a Deus. Na jornada de hoje, estamos dando somente algumas sugestões. Se elas facilitam a sua comunhão, use-as; se não, peça ao Espírito Santo que mostre o modelo que mais se identifique com você.

  1. Ouvir a voz do Senhor

Já aprendemos que meditar é ouvir Deus falar-nos por Sua Palavra, e eu falar

com Ele pela oração. Para que ouçamos com clareza a Sua voz, é indispensável considerarmos o seguinte:

a) O senhorio de Cristo é uma realidade em minha vida? Uma pergunta-chave seria: Existe alguma área em minha vida que está fora do controle do Espírito Santo? O coração dividido me impedirá de ter um compreensão profunda da Palavra de Deus.

b) Pecado não confessado impede que eu reconheça totalmente a voz do Senhor.

c) Não me sentirei à vontade na presença de Jesus, abrigando pecado em minha vida. A desobediência aberta e especifica às orientações da Bíblia, vai interferir diretamente na qualidade de minha relação com Deus. Lemos no Salmo 66:18: “Se eu no coração contemplara a vaidade, o Senhor não me teria ouvido.” Mas, como seu coração era reto diante dele, no verso seguinte, ele afirma: “Entretanto, Deus me tem ouvido, e me tem atendido a voz da oração.”

  1. Receber o alimento de Cristo

Na Bíblia, Jesus se apresenta como Aquele que é o pão e como Aquele que dá o

pão. Por ocasião da multiplicação dos pães, Ele deu o pão para ser distribuído e, no texto que lemos sobre os discípulos de Emaús, vemos que Jesus sentou-Se a mesa com eles, e “tomando o pão…” Sempre que vamos à Bíblia para conhecer a Deus, Aquele que dá pão sempre estará em nossa companhia. Por meio do Espírito Santo, Ele nos dará a conhecer toda a vontade do Pai.

Quando decidimos receber esse pão, de preferência nas primeiras horas de cada dia, seremos plenamente saciados. A experiência dos discípulos de Emaús confirma o fato de que , sentados à mesa com o Senhor, Ele nos alimentará fartamente com Sua Palavra. Ele Se deleita em nos alimentar. No texto que lemos, notamos que quando os discípulos estavam sentados à mesa, Ele tomou o pão, Ele o abençoou, Ele partiu e Ele o deu a eles.

O mesmo irá ocorrer conosco ao longo desta jornada e a cada dia de nossa vida. Na presença do Senhor, humildemente buscando conhecer a Sua vontade, Ele nos dará entendimento e Se revelará pessoalmente a cada filho em comunhão.

Porventura não foi isso o que ocorreu com os discípulos de Emaús?

A Bíblia diz: “Se lhes abriram os olhos, O reconheceram.” Conhecemos a mensagem de que, pela contemplação, somos transformados e cremos que, quando vamos à presença de Deus nas primeiras horas do dia, recebemos, não somente a revelação da verdade, mas a revelação da própria pessoa de Cristo.

Embora naquele momento Jesus tivesse desaparecido da vista deles, uma coisa o texto deixa claro: o gozo, a alegria e o deslumbramento da Sua presença permaneceram com eles. E com o coração em chamas, saíram correndo para anunciar aos demais discípulos em Jerusalém.

Quando meditamos na presença de Jesus nas primeiras horas de cada dia, os resultados serão vistos claramente em nossa vida: viveremos com alegria na presença do Senhor, seremos testemunhas e mensageiros de Cristo e obedeceremos à Sua programação para nossa vida naquele dia.

Antes de terminar, consideremos mais três joias do céu destinadas a nós:

  1. Êxodo 33:15: “Se a Tua presença não vai comigo, não nos faças subir deste lugar”.
  2. “Coisa alguma é aparentemente mais desamparada, e na realidade mais invencível, do que a alma que sente o seu nada, e confia inteiramente nos méritos do Salvador. Pela oração, pelo estudo de Sua Palavra, pela fé em Sua constante presença, a mais fraca das criaturas humanas pode viver em contato com o Cristo vivo, e Ele a segurará com mão que nunca a soltará.” CBV, 182.
  3. “Tome tempo para tornar o querido Salvador um companheiro diário, um amigo familiar. Consagre tempo ao estudo de Sua Palavra.” – Ibidem, 294.

 

 

 

 

 

(264)

Comments

comments

Powered by Facebook Comments